Orquídeas da Terra

Quem começa a cultivar orquídeas pode ter um monte de dúvidas. Para começar, elas são dividias em categorias, e hoje vamos conhecer as Orquídeas da Terra, que são flores belíssimas, capazes de despertar o interesse de quem pretende iniciar nesse universo.

            Elas ganham esse nome por serem flores que se desenvolvem diretamente no solo. Consequentemente são mais fáceis de serem cultivadas em vasos, terreiros e jardins.

            É importante ressaltar que essa espécie de orquídea não é tão comum no Brasil. No entanto, elas lidam bem com climas mais amenos, e por isso são mais comuns na região Sul, onde costuma ser mais frio.  

Dicas Essenciais Para Cultivo De Orquídeas Da Terra!

            As Orquídeas da Terra demandam de alguns cuidados bem específicos. Assim como acontece com as outras classificações desse tipo de flor, é preciso ter atenção com relação à:

  • Luminosidade;
  • Quantidade de água;
  • Terra;
  • Adubo;
  • Vento, etc.

            Consequentemente, se todos esses detalhes forem percebidos com cuidado, a sua flor terá muito mais saúde e muito mais qualidade. O crescimento será belo, e as Orquídeas da Terra trarão lindas flores para você.

            É muito comum que as pessoas acreditem que essa orquídea se desenvolve na terra, literalmente. Mas não é bem assim! O sentido de “terra” é mais apropriado ao “solo”. O que significa que elas crescem em húmus ou folhas caídas.

Raízes:

            As suas raízes são fortes e conseguem suportar uma boa luminosidade. Elas são encontradas principalmente em florestas, embora alguns poucos modelos sejam comercializados.

Aprenda Como Fazer Orquídea Florir!

Orquídeas Terrestres no Brasil – Uma Flor Que Conquistou O País!

            As Orquídeas Terrestres são belíssimas. Por isso mesmo conquistaram o coração dos brasileiros, e hoje existem muitas pessoas que vivem a estudar e pesquisar essas flores. 

            Porém, apesar de existir uma infinidade de tipos, as mais encontradas no país são Acianthera teres, a Catasetum barbatum e várias espécies do gênero Phragmipedium.

Facilidade:

            Um dos motivos pelos quais elas se tornaram tão populares é que são mais fáceis de cultivar do que as outras espécies. Podem se adaptar a jardins e vasos, embora a floresta ainda seja o seu habitat preferido.

Cuidado Com A Luz Do Sol – A Planta É Sensível A Ela!

            Uma das principais dificuldades em cultivar orquídeas da terra diz respeito a adaptação dessas flores com relação a luz solar. No seu cultivo, isso é feito de forma muito delicada e gradativa.

            Porém, quando uma pessoa compra um exemplar, acaba não se atentando a isso, o que faz com que a flor demore mais para aparecer. Uma dica é que você exponha a sua orquídea ao sol aos poucos.

            Ela vai se adaptar com o tempo, mas mesmo com o sol fraco e indireto isso precisa ser feito com calma. É preciso entender que essa flor foi criada em estufa, e com isso não tem costume com a luz natural.

Ventilação:

            Outro fator crucial para a saúde de qualquer orquídea é a ventilação. Ela precisa ser modulada para que não quebre e não prejudique as flores.

            Portanto, evite deixar o vaso em local que ocorra correntes de ar. Outro cuidado fundamental é com relação a temperatura do ambiente. Elas lidam bem com baixas temperaturas, sendo 14 a 20 graus o ideal para a maioria.

            Em períodos de frio intenso, abaixo dos 12 graus, as orquídeas da terra tendem a adormecer, e só voltam a florescer depois de um determinado período – que pode chegar a 1 ano.  

Adubação e rega:

            Por fim, mas não menos importante, preste atenção na adubação e rega. Elas se desenvolvem em ambientes naturais, e não demandam de muita adubação.

            A rega das orquídeas da terra deve ser feita de maneira moderada, embora elas gostem bastante da umidade. De modo geral, regue de duas a três vezes na semana sem exageros, mas deixando o substrato bem hidratado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *